Exercícios de Kegel e incontinência urinária

A incontinência urinária é uma patologia desagradável e incómoda, que atinge quase 2 milhões de portugueses, a maioria mulheres, mas são poucos os que procuram ajuda médica. Também são poucos os que sabem que é possível tratar e até prevenir este problema, em alguns casos até sem medicamentos ou cirurgias. Entre os exemplos destas terapias mais simples destacam-se os exercícios de Kegel, uma ginástica específica para a zona pélvica.

Criados na década de 1940 pelo ginecologista norte-americano Arnold Kegel, os exercícios tonificam e fortalecem o pavimento pélvico – o grupo de músculos que sustenta a bexiga, os intestinos e, no caso das mulheres, o útero. Consequência natural do envelhecimento, o enfraquecimento da musculatura dessa zona acomete mulheres e homens e pode ser agravado por fatores como a gravidez, parto, puerpério, menopausa, prisão de ventre, tosse crónica, excesso de peso e, em alguns casos, cirurgias (como a remoção da próstata, por exemplo).

A prática regular dos exercícios de Kegel, além de reforçar essa musculatura e aligeirar a recuperação da zona após procedimentos cirúrgicos, aumenta a consciência da sua existência, o que propicia um maior controlo dos esfíncteres — urinário e anal. Também são indicados para a bexiga hiperativa e prolapso genital (ou útero descaído).  

Mas não é só. O próprio Arnold Kegel percebeu que, além de reduzir a incontinência urinária das suas pacientes, os seus exercícios também foram importantes para o aumento do prazer sexual – algumas, inclusive, relataram os seus primeiros orgasmos. Nos homens, estudos indicam o aumento do tempo de ejaculação. Os exercícios, porém, não são indicados para mulheres que sofrem de dor durante o ato sexual.

Os exercícios de Kegel baseiam-se na contração e no relaxamento da musculatura pélvica, através de séries de repetições, com ritmo, intensidade e níveis de contração (sustentado e rápido) diferentes, e períodos de relaxamento. Há um truque para localizar o músculo a ser trabalhado, que pode ser feito na casa de banho, ao urinar: interrompa o fluxo de urina de repente. Se conseguir, acaba por descobrir a musculatura que deve ser acionada nos exercícios de Kegel. Durante a prática, as pernas, glúteos e a barriga devem estar relaxados.

Os exercícios devem ser praticados diariamente e em qualquer lugar – no sofá, na cama, na secretária, enquanto cozinha, nos transportes públicos, etc. –, nas posições em pé, deitada ou sentada. Mas é preciso atenção na contagem. Há equipamentos que podem ser utilizados, como os cones vaginais, por exemplo, mas estes são apenas indicados em casos específicos.

O importante é, antes de tentar a prática, procurar um profissional especializado. Fisiatras, ginecologistas, urologistas, gastroenterologistas e fisioterapeutas que trabalham com esta zona são os profissionais indicados para definir a rotina certa de exercícios. Por isso, consulte sempre um especialista.

RElated Posts
Dia Mundial do Coração
29 Set, 2017
A RNA comemora 10 anos de existência
17 Set, 2019